TEMA: "VOCÊ NEM IMAGINA DO QUE WHATSAPP É CAPAZ:
APPS DE MENSAGENS E A VISÃO ÚNICA DO CLIENTE"



O seu varejo se garante no universo online?

Diversas ferramentas e tecnologias estão à disposição para qualificar a presença das marcas no online. Como está o conteúdo digital do seu varejo?

Com a imersão online sendo realidade no dia a dia dos consumidores, a capacidade das marcas e do varejo de se envolverem efetivamente com os clientes depende cada vez mais de interações. Devido ao crescimento do e-commerce, das economias e mídias digitais, e do metaverso, o uso e a necessidade de conteúdo digital, como imagens, áudio, vídeo e texto aumentarão.

Isso é o que mostra o estudo Digital Content – Consumer & Retail, da CB Insights. O relatório foi concluído em janeiro de 2022 e mostra que os consumidores estão gastando mais tempo trabalhando, jogando e fazendo compras online.

Para as empresas, isso representa uma oportunidade em expansão para alcançar pessoas em diversas plataformas. Isto também significa tornar-se mais eficiente em criar, gerenciar, distribuir e medir o impacto da digitalização, além de atender as expectativas em termos de conteúdo hiper relevante.

Da criação de material digital à gestão e distribuição, a pesquisa examinou como a tecnologia atual, as soluções e os fornecedores podem ajudar marcas e varejistas, com eficiência, a entregar experiências digitais para melhorar o engajamento e aumentar receita.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

3 temas centrais para ter um bom conteúdo digital

De acordo com a CB Insights, o advento da internet e das novas tecnologias deu origem a três temáticas relevantes para as marcas que desejam ter presença online marcante e, consequentemente, produzir conteúdo digital atrativo e engajador. São elas:

Economia do criador

O crescimento da economia criadora resultou em muito mais conteúdo digital produzido e consumido em todas as plataformas. Tecnologia e provedores de soluções estão aproveitando a oportunidade para ajudarem criadores de conteúdo a crescerem e escalarem seus negócios.

Adoção do e-commerce

A crescente penetração do comércio eletrônico impulsiona a necessidade de aprimoramento das experiências de compras online. Novas plataformas e canais, como o metaverso, oferecerão a oportunidade para criar maneiras completamente diferentes de interagir com os consumidores.

Personalização em escala

De mídia sintética a automatizada, edição de vídeo e soluções habilitadas para inteligência artificial estão ajudando varejistas e marcas a economizar tempo em quase todas as etapas do processo de conteúdo digital, ao mesmo tempo em que se alcança escala na criação de conteúdo personalizado.

14 elementos que vão ganhar força daqui para frente

Além dos três elementos centrais elencados pela CB Insights, a companhia reforça outras 14 tendências no universo tecnológico que irão impactar o comercial, o conteúdo digital e que podem oferecer oportunidades e desafios.

1.Criação de ativos 3D

O conteúdo 3D pode oferecer maior envolvimento por meio de experiências imersivas e realistas. Isso também pode ajudar a aumentar taxas de conversão online e reduzir retornos para e-commerce graças a produtos mais precisos.

Os desafios permanecem para a criação de ativos 3D fotorrealistas, com os custos de produção elevados e a falta de formação de trabalhadores em modelagem 3D. Isso está abrindo caminho para empresas que permitem a criação sem tanta necessidade de habilidades técnicas, como plataformas low-code e no-code.

Leia mais: Raio X da IA: quais os benefícios do seu uso para o CX?

2. Conteúdo gerado por inteligência artificial

O conteúdo gerado por inteligência artificial pode ajudar marcas e varejistas a produzir conteúdo novo de forma barata ou reutilizar conteúdo existente de forma que as técnicas convencionais de produção de conteúdo não permitam.

Entretanto, mais conteúdo gerado por IA aumenta o risco de abuso e desinformação. O crescente uso de meios sintéticos significa que o conteúdo da marca também está em maior risco de manipulação.

3. Mercados de ativos

Essas plataformas dão às empresas a capacidade de terceirizar habilidades que podem ser necessárias em uma base menos frequente. A maioria são atualmente centradas em texto e vídeo, mas, em breve, os marketplaces de ativos para a produção de conteúdo Web 3.0, como NFTs e ativos 3D, vão emergir.

Leia mais: Web 3.0: ameaça ou aliada? Você está preparado para as mudanças que estão por vir?

O crescimento da economia criadora pode estimular o crescimento desses mercados à medida que mais indivíduos procuram saídas para monetizar seus conjuntos de habilidades. Além disso, os criadores podem procurar obter produtos e serviços adicionais que não possuem a capacidade de inventar.

4. Avatares e humanos digitais

As personas geradas por computador oferecem o apelo de um influenciador humano, muitas vezes a um preço menor e sem a limitações e riscos de uma pessoa real – seus personagens e personalidades podem ser moldadas e controladas.

Humanos digitais e influenciadores podem se tornar proeminentes em mundos virtuais em ascensão, pois são mais uma plataforma para interagir com fãs e consumidores.

5. Restauração de conteúdo

Os fornecedores de tecnologia simplificam o fornecimento de conteúdo de qualidade para ajudar a melhorar a presença e o engajamento da marca usando tecnologias, como IA. A maioria das empresas de curadoria de conteúdo está ajudando a gerenciar e selecionar conteúdo gerado pelo usuário.

6. Distribuição de conteúdo

Um número crescente de plataformas está usando blockchain como tecnologia para distribuição de conteúdo, contando com redes descentralizadas para os criadores chegarem aos consumidores diretamente.

Isso pode ajudar a verificar a propriedade com um carimbo de data/hora no momento da criação e estabelecer a propriedade de ideias e projetos. Também permite que os criadores de conteúdo definam preços para seu conteúdo.

7. Edição de conteúdo

Muitas plataformas oferecem ferramentas de IA para automatizar rotinas, manuais, tarefas de edição, e para permitir que os editores divulguem seu conteúdo mais rápido, bem como editar sem qualquer experiência prévia.

Alguns fornecedores de tecnologia também estão ajudando as marcas a atualizar a qualidade de fotos de fontes não profissionais, como conteúdo gerado pelo usuário (user generated content (UGC)) e material de influenciadores que podem não ter acesso a equipamentos profissionais.

À medida que o UGC se torna mais comum e a economia criadora cresce, essas habilidades se tornarão ainda mais relevantes.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

8. Sistemas de gerenciamento de conteúdo

Um número crescente de soluções nesta categoria são headless — o back-end e o front-end componentes são sistemas desacoplados. Isso permite uma abordagem mais flexível ao publicar em várias interfaces, o que pode ajudar a oferecer uma experiência de usuário aprimorada.

Além disso, mais plataformas low-code e no-code são emergentes. Isso pode reduzir a dependência da implantação desses recursos de desenvolvimento. Ao cortar esta etapa, também se cria eficiência e coloca os profissionais de marketing no controle de todo o processo.

9. Moderação de conteúdo

Embora a IA possa ajudar a detectar – e em alguns casos prevenir – conteúdo nocivo em escala, a supervisão humana ainda é necessária para cobrir casos extremos e garantir que os algoritmos sejam devidamente treinados.

Marcas e varejistas precisam de soluções de moderação que possam se adaptar constantemente a novos termos, tendências e ameaças.

10. Gerenciamento de ativos digitais

Um número crescente de soluções nesta categoria incorpora capacidades de gerenciamento de informações do produto nas plataformas. Acoplar esses recursos economiza tempo e resulta em mensagens e conteúdo mais consistentes, especialmente para as marcas envolvidas no e-commerce.

Algumas plataformas estão integrando a marcação automatizada e metadados alimentados por IA para permitir um acesso mais fácil e organização eficiente.

Leia mais: Entenda o perfil dos compradores de NFTs

11. NFTs

Jogadores de luxo liderarão a adoção de bens de luxo e NFTs, pois compartilham vários atributos, incluindo escassez e preços em grande parte impulsionados pelo valor intangível.

As NFTs serão cada vez mais usadas para criar experiências, como arte digital relacionada a marcas. Embora nem todos possam fazer negócios com a venda de versões virtuais de seus produtos, eles ainda podem se beneficiar usando NFTs para envolver os clientes.

12. Direitos, royalties e plataformas de licenciamento

Várias empresas estão surgindo visando especificamente criadores de conteúdo – à medida que essa economia cresce, a demanda por esses serviços também irá aumentar.

Semelhante à distribuição de conteúdo, alguns fornecedores de tecnologia nesta categoria estão usando a tecnologia blockchain para proteger, rastrear e monetizar conteúdo.

13. Estratégia e análise de conteúdo inteligente

Em comparação com pesquisas tradicionais que usam entrevistados, as ferramentas inteligentes de análise de conteúdo podem fornecer insights sobre o conteúdo mais rapidamente e sem alguns dos vieses de respondentes humanos.

14. Conteúdo gerado por usuários

O conteúdo gerado pelo usuário é visto como mais autêntico em comparação com o profissional, e muitas vezes é mais barato. Plataformas nesta categoria estão ajudando a tornar o processo de encontrar UGC de qualidade mais escalável.

As estratégias das empresas se tornarão granulares ao atingir micro influenciadores, pois esses indivíduos podem ser bem adequados para alcançar grupos de clientes de nicho, com alto engajamento do público.

No entanto, tende a ter menos certeza em torno do ROI, devido à quantidade de seguidores e à falta de histórico. Em resposta, mais empresas terão como objetivo ajudar a quantificar e prever engajamento para o UGC.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Recommerce: varejo de moda online cresce na venda de itens usados

Tinha um galpão no meio do caminho: o novo gargalo do e-commerce?




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS