M-commerce: destaques, desafios e novos comportamentos

Conheça os aplicativos mais usados pelos brasileiros na hora da compra via mobile e entenda como novos comportamentos de consumo estão influenciando estratégias no varejo

Foto: Pexels

O m-commerce (mobile commerce), comércio realizado por meio de dispositivos móveis está mais do que inserido na vida do consumidor brasileiro. Preferências distintas por aplicativos de compra faz com que esses canais disputem a atenção do consumidor por conveniência, agilidade, segurança e, claro, boas ofertas.

A pesquisa, Panorama Mobile Time/Opinion Box, ofertada pela Twilio comparou recentemente as preferências do consumidor quando o assunto é apps para compras. Os três aplicativos de compras mais populares hoje no Brasil são: Shoppe, iFood e Mercado Livre.

O preferido entre mulheres e jovens

O destaque da pesquisa (que ouviu cerca de 2.000 brasileiros que fizeram compra via smartphone), foi a Shopee, plataforma de comércio eletrônico, que é usada por 21% dos consumidores móveis brasileiros. Em seguida vêm iFood (15%), Mercado Livre (14%) e na quarta posição Americanas (9%).

Propaganda em TV, promoções constantes e frete grátis estão entre as estratégias da Shopee para conquistar o seu público, que na grande maioria é composto por mulheres e jovens.

Já a preferência pela Shopee cai no grupo entre consumidores de 30 e 49 anos (19%) e cai ainda mais entre os consumidores móveis com 50 anos ou mais (13%).

Leia mais: Como o frete pode ser um aliado do aprimoramento do CX?

Classe social e idade determinam preferências em m-commerce

Há também uma diferença significativa de acordo com a idade e classe social dos pesquisados. Dos quatro apps mais bem posicionados na preferência dos consumidores das classes A e B (24% desse grupo) está o iFood.

Já no recorte por faixa etária, entre os mais velhos (50 ou mais) o Mercado Livre é o mais usado (18% desse grupo). Americanas também registra forte penetração nesse público (14%). Já com os consumidores de 16 a 29 anos, a Shopee é a mais usada (30%).

Digitalização do consumo redefiniu a pesquisa

Há sete anos, quando foi elaborada a primeira edição dessa pesquisa, o m-commerce estava no seu início no Brasil.
Hoje, a maturidade digital das empresas e, sobretudo, o comportamento de consumo dos brasileiros via smartphones fez com que a pesquisa criasse uma nova abordagem. A pergunta principal passou a ser: informe um único aplicativo de m-commerce que você mais usa para fazer compras?

O fator pandemia influenciando o comportamento de consumo

Ainda sobre comportamento de consumo, outro relatório recente, da Kantar, denominado “Winning Omnichannel”, revela mudanças e grandes oportunidades para as marcas atenderem às novas necessidades dos consumidores.

De janeiro a setembro de 2021, o crescimento dos chamados FMCGs (sigla em inglês para Fast Moving Consumers Good, em tradução livre “produtos de giro rápido”) desacelerou apenas 0,8%. Ou seja, consumo de giro rápido se encaixa bem no comportamento de compra online.

Outro fator é que as compras de supermercados permanecem 8,4% maiores do que eram antes do COVID-19. Ou seja, o hábito de abastecer a dispensa de casa via apps de compras se inseriu totalmente no comportamento do consumidor.

Enquanto isso, o comércio eletrônico continua crescendo, embora em um ritmo mais lento (crescimento de 17% de janeiro a setembro de 2021, em comparação com um aumento de 42% no mesmo período do ano anterior). Ou seja, um reflexo da fase mais aguda da pandemia que exigiu do consumidor o hábito da compra online.

Leia mais: O seu varejo se garante no universo online?

Vale ressaltar que o estudo da Kantar é baseado no comportamento de compras de sete grandes mercados (Reino Unido, França, Espanha, China continental, Indonésia, Brasil e México), que representa 29% da população global.

Ou seja, apesar do e-commerce ter desfrutado um crescimento substancial no período mais agudo da Covid-19, as marcas devem agora se equilibrar entre atender preferências comportamentais de consumo, adquiridas nessa fase, com o desafio crescente de conquistar novos públicos frente as incertezas econômicas.

Por outro lado, o estudo Mastercard SpendingPulse, aponta que as vendas no varejo brasileiro cresceram 24,1% em março deste ano, comparado com o mesmo período de 2021 – quando os consumidores já haviam retomado suas atividades de compras nas lojas físicas. Vale ressaltar que Mastercard SpendingPulse mede as vendas de varejo na loja física e on-line em todas as formas de pagamento.

São reflexos de que há uma possível volta à tendências pré-pandemia, porém,  com todo cuidado que as marcas devem ter aos novos comportamentos e preferências do consumidor (sobretudo Gen Z), e ao fato que em tempos de instabilidade econômica escolhas se tornaram muito importantes na hora de consumir.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente  


+ Notícias

Prêmios e recompensas: o estilo do Rappi para reconquistar clientes não ativos 

O que o volume de downloads de apps diz sobre a experiência do cliente? 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS