Airbnb faz redesenho de plataforma para oferecer experiências únicas

Airbnb anuncia novidades e remodela seu sistema de buscas. O novo design prioriza a experiência e se torna mais aspiracional

Foto: canva.com

Quando pensamos em férias ou um passeio, logo recorremos ao Google e digitamos o destino que temos em mente. Esse mesmo processo tem sido a fórmula de sites de viagens, inclusive o Airbnb.

Só que agora o Airbnb quer se tornar mais aspiracional. Recentemente a companhia divulgou o redesenho da plataforma. Ao invés de uma barra de pesquisa para onde você quer ir, ele irá lhe propor que você a escolher por categorias.

No total são 56 categorias (que poderá expandir ao longo do tempo) que incluem atividades outdoor, praias, cabanas entre outras, todas com milhares de destinos e experiências.

De acordo com a companhia, todo o projeto é destinado ao usuário pensar de forma mais ampla sobre os locais, ao mesmo tempo em que promove as propriedades com experiências únicas.

Brian Chesky, CEO do Airbnb, disse em nota à imprensa internacional, que sempre teve essa ideia de uma plataforma mais aspiracional, sobre “maneiras de viajar do que apenas destinos”. Por exemplo, a ideia do redesenho é que você busque por vinhedos e encontre não só lugares, mas, diferentes propriedades e estilos.

Efeito pandemia

A plataforma também percebeu que após a pandemia as pessoas estavam buscando não só novos destinos, mas locais que pudessem ofertar um modo de vida que agora faz parte do cotidiano delas.

Por exemplo, 21% dos hóspedes que viajaram para o Brasil em 2021 relataram à plataforma viajar e trabalhar remotamente enquanto estavam no país. Ou seja, alugar um local com uma boa estrutura para home-office e reuniões de trabalho passou a ser muito procurado.

Leia mais: Nomadismo digital irá aumentar no pós-pandemia?

Embora o Airbnb tenha se adaptado bem ao momento (pós-pandemia), já que a receita da empresa cresceu 70% em relação ao ano anterior, Chesky acredita que essa é uma “janela” para serem mais agressivos como negócio e capitalizar novos comportamentos.

Inteligência Artificial como base para transformação

Construir essas categorias no Airbnb levou a empresa a ir muito além do design. O trabalho com um alto volume de dados e Inteligência Artificial (IA) analisou textos e imagens de 4 milhões de propriedades. Toda essa análise foi usada pelas categorias, que ajudou a identificar algumas muito específicas: “cozinha de chef” e “pianos de cauda”, por exemplo.

Em outro exemplo, a equipe de desenvolvimento do Airbnb apontou que pelo valor 600 dólares/dia, um músico pode ficar em uma casa com um estúdio de gravação profissional completo nos EUA. Um valor que seria pago por cerca de uma hora de tempo de gravação em um estúdio profissional em qualquer cidade grande por lá. A vantagem aqui, além do preço, está em gravar numa casa espetacular em meio a uma floresta, por exemplo.

Estadias Combinadas

Além desse novo redesenho voltado para experiências, o Airbnb está desenvolvendo um sistema de divisão de estadia por propriedades chamado “Estadias Combinadas”. Para qualquer estadia de mais de uma semana, você poderá dividir essa estadia em duas casas próximas. Esse modelo oferece 40% mais opções de moradia para os viajantes.

Ao pesquisar um destino específico, as Estadias Combinadas aparecem automaticamente nos resultados da pesquisa. Elas também aparecem em 14 categorias, tudo para inspirar você a ficar em dois destinos como parte de uma viagem mais longa.

Tudo muito novo

Quando perguntado sobre o impacto que essas mudanças podem ter no negócio do Airbnb, Chesky admite que é muito difícil encontrar uma resposta agora. Mas, com o tempo, ele acredita que propriedades mais atraentes poderão levar a empresa a obter mais reservas ao redor do mundo.

Para os anfitriões, parece que a novidade dispara uma competição de quem tem a propriedade mais singular e atrativa. Para os locatários mais casuais, aqueles que alugam apartamentos ou casas “normais”, o cenário pode ser menos lucrativo.

Chesky, não vê isso como problema: “isso incentivará uma competição não só por preço”, diz ele “Isso pode encorajar os anfitriões a oferecer algo único, algo que é diferente”, avalia. Essas atualizações, segundo, o CEO do Airbnb, permitirão que cada propriedade, não importa a localidade, “tenha a chance de brilhar”.

AirCover (para hóspedes)

Outra novidade é o AirCover para hóspedes. A novidade foi projetada diretamente no aplicativo e no site do Airbnb, facilitando o contato com um agente de atendimento 24 horas para buscar a resolução rápida de problemas.

O AirCover tem quatro proteções: Garantia de Proteção da Reserva (para cancelamento por parte do anfitrião faltando 30 dias). Garantia de Check-in, Garantia de Veracidade do Anúncio (o hóspede terá até três dias para comunicar o fato) e Atendimento de segurança 24h (hóspede tem acesso prioritário a uma linha de atendimento especial em em 16 idiomas).

O “jet leg” da experiência

Por outro lado, existe o efeito contrário para essa novidade do Airbnb. Para cidadãos de diversas localidades onde o Airbnb atua, muitos já se dizem cansados de verem sua paz e sossego sendo alterada por casas aluguéis. Uma reportagem recente no The New York Times demonstrou que algumas propriedades para locação via Airbnb nos EUA “invadiram algumas paisagens”.

Nesse ponto, o CEO acredita que essa remodelagem da plataforma busca “afastar” as pessoas daqueles lugares que normalmente elas digitam no campo de busca, o que acaba por impactar o volume de alguns destinos. “Não queremos limitar a busca aos lugares que as pessoas normalmente possam pensar”, rebate Chesky.

Mas viajar não é uma ciência exata, é uma experiência, e tudo pode mudar no meio desse processo. Ao que tudo indica, do ponto de vista de negócio, certamente o Airbnb está preocupado em não ficar estagnado como plataforma de viagens. Já do ponto de vista da experiência, a novidade pode gerar novas imersões para seus clientes e instigar as pessoas a descobrirem novos destinos – ou simplesmente ser apenas uma tentativa disso – como disse, viajar não é sinônimo de exatidão, a experiência é o que move o desejo de viajar.

Por essa ótica, Chesky também está disposto a experimentar. Ele admitiu que não está 100% seguro sobre toda essa mudança, mas, que está disposto a correr o risco e, caso o Airbnb precise mudar, ele diz que não terá receio em fazer. Bom ponto, já que quando se trata de viagens você sempre deve estar aberto a imprevistos e mudanças.

 

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente 


+Notícias

Millennials: a geração que prefere viajar a ter filhos e tem medo de não se aposentar 

Transfobia nas redes sociais: TikTok atualiza políticas de segurança e promove debate na web 

 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS