Líderes ESG são os líderes dos negócios

Assim como chegou aquele momento tão desejado de que a área de Sustentabilidade não seja mais vista pelas empresas como um patinho feio, eis a hora a de ocuparmos as cadeiras junto aos tomadores de decisão.

Foto: Pexels

Desde que o tema ESG ganhou maior notoriedade na imprensa, assim como nas mesas das diretorias e conselhos das empresas, muito tem se falado sobre o papel dos líderes, em especial CEOs e conselheiros de administração. Papel este que, sem dúvida alguma, é o de colocar na pauta diária das discussões os assuntos ligados aos impactos ambientais, sociais e de governança das organizações, tomando decisões não apenas visando a criação de valor para os shareholders, mas para todos os stakeholders e, com isso, criarmos cada vez mais ambientes saudáveis para os negócios e para o planeta.

Tenho sido convidado para palestrar em eventos, cursos, e é encantador ver o número de CEOs, C-Levels, Conselheiros e Acionistas de empresas participando destes fóruns. Estão interessados em aprender, em debater não só para entender melhor sobre a inserção do tema na estratégia dos negócios, mas sim para conhecer o caminho das pedras e inserir a agenda nas operações, na identidade da organização, e na disseminação com toda a liderança, seja ela alta ou média. O objetivo é que ao final todos possam entender sobre como devem colocar a pauta ESG no checklist diário para as tomadas de decisão, sejam elas as mais simples ou complexas. Com isso, fica cada vez mais claro o papel de todos os tomadores de decisão como responsáveis por tornar real a agenda ESG nas corporações e não a cargo de uma única área.

Assine a nossa newsletter e fique por dentro das notícias da Consumidor Moderno

Sinal de novos tempos para o mundo dos negócios. Viva!!!

Mas hoje o que quero trazer para a reflexão é sobre o papel mais específico de nós líderes das áreas de sustentabilidade nas empresas, que agora passam a ter maior importância para a estratégia dos negócios. Parafraseando um programa de televisão para entendermos sobres líderes: “Quem são eles? O que comem? O que bebem? Como se vestem? Como vivem?”. Então, somos um grupo de pessoas altamente crítico e inconformado com a realidade do mundo. Somos um tipo de gente que adora andar em bando; já viram a quantidade de eventos que realizamos para o nosso próprio clube, tentando catequizar os já convertidos? Nos enxergam nas empresas como os bichos-grilos, que adoram abraçar árvores, aqueles que pedem por caridade. E mais, falou sobre a cor verde a associação conosco é imediata (não que a cor seja ruim, não é sobre isso).

Vejam só a quantidade de rótulos e estereótipos colocados pelos profissionais de outras áreas das empresas sobre nós. Se identificam? A intenção aqui não é fazer papel de vítima, mas sim chamar a atenção dos meus pares em outras organizações, porque, ao mesmo, tempo nós mesmos criamos este cenário. Quantos de nós estamos ocupando o board das empresas semanalmente participando das discussões dos negócios como um todo, e não fazendo apenas participações pontuais para levar algum resultado de pesquisa, diagnóstico, aprovação do plano da área ou de projetos? Quantos de nós estamos reservando espaço nas agendas para entendermos as dores das demais áreas, como, por exemplo, realizando visitas de campo com as equipes comerciais e conversando com clientes? Ou ao irmos até as operações industriais, não fazermos o papel de auditores, mas sim de uma agenda genuína para entender a rotina da produção fabril? Como estamos incentivando essa prática nos membros das nossas equipes também?

Leia mais: CEO da W Futurismo: saúde e sustentabilidade são as pautas da década

É hora de conversar com os líderes de outras áreas

Sobre a criação dos estereótipos, já vi e convivi com muita gente que acha a empresa, quem trabalha nos negócios, são demônios capitalistas, enquanto às áreas de Sustentabilidade, Responsabilidade Social, institutos e fundações empresariais são feitas por pessoas santas preocupadas única e exclusivamente em salvar o mundo. E quando há uma troca no comando destas áreas, trazendo líderes do próprio negócio, causa aquele pânico geral ativando inclusive o botão dos preconceitos, aliás, de ambos os lados.

Conheça o Mundo do CX

Assim como chegou aquele momento tão desejado por nós, de que a área de Sustentabilidade não seja mais vista pelas empresas como um patinho feio, eis a hora para a qual fomos chamados, a de ocuparmos as cadeiras junto aos tomadores de decisão. O convite está feito. Agora quantos de nós estamos de fato interessados em enfrentar os medos, as vulnerabilidades e atravessar de vez esta ponte? Quantos de nós estamos com o genuíno interesse em aprender e ajudar nossas empresas com um olhar sistêmico? É o que tenho dito, mais do que nunca, agora o nosso papel é o de servir como voz da consciência para os CEOs e conselheiros de administração e de ajudar a mostrar para a sociedade de que o compromisso ESG é para valer.

*Luís Fernando Guggenberger é executivo de Marketing, Inovação e Sustentabilidade da Vedacit, responsável pela coordenação das iniciativas de Inovação Aberta e Sustentável e pelo Instituto Vedacit.


+ Notícias

Barreiras, acesso e educação: é preciso ir além do gap de profissionais de tecnologia

Mais sustentáveis: o que o brasileiro espera do mundo corporativo hoje? 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS