Conheça 5 empresas que já realizam vendas por comandos de voz

Foi justamente em um dia dos namorados que um dos principais exemplos de voice commerce começou a funcionar nos EUA. Conheça outros cases

O Dia dos Namorados é uma data importante para quem acompanha o desenvolvimento do voice commerce ou o comércio eletrônico por meio de comandos de voz, tais como Alexa (da Amazon), Bixby (Samsung) e outros.

Foi  justamente às vésperas do dia de São Valentim de 2019 (o dia dos namorados dos americanos, que é celebrado no dia 14 de fevereiro) que começou a funcionar o comando de voz da varejista 1-800-FLOWERS.COM, uma espécie de Giuliana Flores ianque.

Para fazer o pedido, o consumidor precisa de um dispositivo com o Bixby e o Samsung Pay, carteira digital da empresa coreana. Feito isso, basta apenas dizer a frase “Oi Bixby, quero enviar flores para minha esposa” e o produto seria entregue na casa. O comando existe até hoje, inclusive.

Mercado de bilhões

Hoje, a 1-800-FLOWERS.COM não está sozinha nessa empreitada pelo voice commerce.

De acordo com um levantamento feito pela Juniper Research, as vendas realizadas por meio de comandos de voz pode chegar a US$19,4 bilhões em 2023. Em 2021, o montante foi de US$4,6 bilhões.

Ao que tudo indica, o varejo seria o primeiro setor interessados no voice-commerce. Outro estudo, desta vez produzido pela Elastic Path, de 2020, aponta que supermercado, beleza, saúde, livros, músicas, filmes, acessórios e roupas seriam os primeiros desbravadores em vendas por comandos de voz. A seguir, veja alguns exemplos.

Starbucks

Embora o comando de voz do Bixby tenha sofrido críticas nos Estados Unidos, o assistente virtual até que foi bem na Coréia do Sul e um dos motivos é bem americano: o Starbucks Coffee. A rede cafés foi a primeira varejista a vender produtos por comando de voz na Coreia em 2018.

Antes, em 2017, nos EUA, a empresa já havia feito a primeira experimentação com comando de voz por meio de uma parceria com a Ford e a Amazon. Basicamente, um consumidor pedia um café a caminho de uma loja da rede.

O case mais recente da Starbucks foi em 2019. Ela apoiou o desenvolvimento de um alto-falante inteligente produzido pela Alibaba e instalado em algumas lojas.

Domino’s

Há quem defenda que a Domino’s foi a primeira empresa a produzir um case de voice commerce nos EUA – e até no mundo.

Verdade ou não, o fato é que a iniciativa da empresa antecede o uso em massa de Alexa, Bixby e outros. Em 2014, a empresa lançou o DOM, um assistente de voz desenvolvido pela empresa e que foi lançado durante o intervalo do Super Bowl. No daquele ano, a empresa contabilizou a incrível marca de 500 mil pedidos foram feitos por voz.

Além disso, há quem diga que a primeira funcionalidade da Alexa foi inspirada em uma das habilidades de DOM.

Nike

Em janeiro de 2019, a Nike fez uma promoção para a compra por voz de um tênis chamado Adapt BB, que saiu por US$ 350. O calçado se esgotou em seis minutos.

Além disso, hoje, os fãs da marca podem pedir informações sobre tênis para o Google Assistente para “perguntar à Nike” sobre os tênis.

Walmart

Em 2019, o Walmart anunciou uma funcionalidade de compra de supermercado dentro do Google Assistente.

A ideia é que os usuários comprem alimentos para entrega ou retirada do produto usando apenas comandos de voz. O recurso é acionado dizendo “Ok Google, Talk to Walmart” (“Ok Google, fale com o Walmart”).

A partir disso, os usuários podem adicionar mantimentos de sua escolha ao carrinho para recebê-los em casa, ou retirar em alguma loja física da rede.


+ Notícias

Cashback ou pontos: qual é a estratégia de fidelização correta?

O futuro dos aplicativos de cashback: inovações tecnológicas e análises comportamentais 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS