História, expansão e qualidade: as estratégias da Wickbold no mercado

A tradicional marca de 84 anos reforça trabalhos na panificadora doce

Tempo de leitura: 3 minutos

28 de julho de 2022

Foto: Wickbold

Encontrar uma brecha no mercado que permita a oportunidade de crescer e expandir o mercado é um ponto alto para o sucesso dos negócios independente das adversidades. E quando se tem uma marca tradicional e já reconhecida, essa brecha deixa as negociações ainda mais interessantes. É o caso da consolidada Wickbold, marca familiar que completa 84 anos de existência neste ano e acaba de anunciar aquisição de fábrica nova, com intuito de expandir os produtos.

Após aquisição da Seven Boys em 2015, a corporação tem decolado nas vendas e, durante a pandemia, viu uma oportunidade de negócio rumo à expansão. O resultado, por ora, foi a compra da antiga fábrica Delimyll, que agora se transforma em Basteck e será destinada apenas à panificação doce de ambas as marcas — Wickbold e Seven Boys. Mas o objetivo é ainda mais ambicioso: levar a marca a um novo patamar de comunicação com o cliente, a fim de proporcionar uma experiência diferenciada no mercado.

“Temos alcançado um público que busca itens saborosos e que oferecem uma experiência sensorial única, com destaque para ingredientes selecionados e qualidade da receita”, analisa Pedro Wickbold, diretor-geral da companhia. “Para mim, é muito gratificante ver o negócio que minha família começou lá em 1938 chegar a esse patamar, agora na quarta geração de gestão da Wickbold, comigo à frente”.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente 

Wickbold: Reconhecimento de mercado e experiência ao cliente

A aquisição da nova fábrica para a marca é um grande passo em direção à reconexão com a marca. E isso começa inclusive pelo nome destinado a ela. “Na época da criação da Wickbold, em 1938, a minha bisavó teve uma relevância muito grande na coragem empreendedora da falar ‘vamos nessa’. E antes de casada, minha vó tinha outro sobrenome, de solteira, que era Basteck. Ela era uma pessoa muito gentil. Então, como estamos falando de uma fábrica doce, resolvemos apelidar a fábrica com o nome dela, a parte mais doce da família Wickbold”, acrescenta Pedro. “É uma história legal, gosto de contar porque isso tem tudo a ver com a gente”.

Por meio da Basteck, a empresa espera produzir uma média de 50 toneladas de produtos por dia, divididas entre bolos, brownies, monoporções e panettones. A capacidade produtiva é de R$ 14 milhões de peças por ano. Essa nova fábrica inclusive ficará responsável pela produção dos panetones da Wickbold, uma grande estratégia de customer experience iniciada pela marca para este ano. O objetivo principal é focar em um hiato do mercado, reconhecendo o produto como bem “presenteável”, e partindo desse princípio para fornecer uma nova experiência aos clientes na época do Natal.

“É um produto de muito consumo, mas que em geral não tem uma embalagem tão presenteável, não tinha uma oportunidade de serem olhados com essa visão. Ao mesmo tempo, quando vamos para outro tipo de panetone, os artesanais ou super premium, os preços costumam fugir demais do preço que os consumidores conseguem comprar”, destaca Pedro. “Entendemos que, por a Wickbold ser uma marca muito forte, uma marca premium e já reconhecida pelo consumidor, com uma embalagem pensada para presente, isso seria uma possibilidade de experiência muito única para nós”, destaca Pedro.

Leia mais: Tecnologia e inovação são as apostas da Wickbold

Atendimento ao cliente e altas expectativas

Ao todo, o investimento inicial para aquisição e o planejado para os próximos três anos da Basteck foi de R$ 80 millhões. E hoje, asa vendas de produtos produzidos na fábrica já alcançam 5,3% da receita líquida total da Wickbold — um número que tende a crescer com as novas peças do mercado. Até então, portfólio da marca Wickbold conta com mais de 70 itens.

“Nesse primeiro momento temos 165 pessoas efetivas e mais 70 temporários com prioridade para a linha de panetones na região, além dos diversos empregos indiretos que foram gerados a partir desse negócio”, complementa Pedro.

Conheça o Mundo do CX

Ele finaliza a grande virtude da marca é trazer um bom atendimento ao cliente, que vem por meio dos promotores e leva o principal objetivo: alimentar e nutrir as famílias brasileiras. “Um bom atendimento para as nossas marcas é ausência de ruptura, estar no lugar certo, na hora certa e com o preço certo, é ter uma equipe focada em exposições e pontos adicionais que impactem o consumidor na hora da compra. Treinamos muito os nossos promotores para atender esse tipo de anseio”.


+ Notícias

Marketing e reposição no PDV podem ajudar na retomada

Como a ciência comportamental impulsiona a inovação bem-sucedida 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS