Resultados de Busca

qualidade de vida

No Image
Palavra do Presidente – A importância da governança no varejo familiar

Publicado em: 29 de setembro de 2014

Imagine a seguinte cena: o Capitão James T. Kirk, da nave NCC-1701 (USS Enterprise) resolve se deslocar para a superfície de um dos inúmeros planetas que ele visitou e dá o comando: ?sr. Scott dois, para o transporte?... bom, se ele não levou consigo o sr. Spock que, além de oficial de ciências, é o primeiro oficial, fica claro quem vai assumir o comando da nave. Agora se o escolhido foi o próprio Spock, quem assume o controle? O oficial de navegação (sr. Chekov)? A oficial de comunicações (srta. Uhura)? O oficial do leme (sr. Sulu)? O oficial médico (dr. McCoy)? Ou ainda, o próprio oficial de engenharia (sr. Scott)? Pois é, vida dura né! Às vezes, na nave do varejo acontece a mesma coisa...

Varejo, um criador de diálogos

Publicado em: 29 de setembro de 2014

Varejistas de três continentes mostram como têm atendido consumidores cada vez mais conectados

No Image
Pessoas – Varejo por opção

Publicado em: 26 de setembro de 2014

CRESCIMENTO DE UM DOS SETORES MAIS PULSANTES DA ECONOMIA CONQUISTA PROFISSIONAIS DE DIVERSAS ÁREAS E FAZ O PERFIL DA MÃO DE OBRA MUDAR

Atuar no varejo: a solução para a indústria?

Publicado em: 24 de setembro de 2014

Para ver seus produtos mais valorizados no ponto de venda, não se trata apenas do desejo da indústria em participar do varejo, mas uma questão de necessidade e até mesmo de sobrevivência

Franquia da moda até quando?

Publicado em: 23 de setembro de 2014

Palecolé refuta que paletas mexicanas sejam apenas uma febre e almeja 300 lojas em 3 anos

O que a Marisa aprendeu com 15 anos de e-commerce

Publicado em: 20 de setembro de 2014

Varejista foi a primeira do segmento de moda a criar uma loja virtual, em 1999

5 dicas de qual produto destacar em seu e-commerce

Publicado em: 11 de setembro de 2014

Escolher apenas 1 produto como carro-chefe do site é uma das dicas para chegar ao sucesso

Prestígio e originalidade nativamente poloneses

Publicado em: 11 de setembro de 2014

Kazar Footwear usa com maestria mercado interno forte de seu país e se insere globalmente

Um cliente insatisfeito influencia milhares

Publicado em: 10 de setembro de 2014

Lealdade do consumidor se conquista com diferenciais únicos e consistência no atendimento

No Image
Inovação nos extremos

Publicado em: 5 de setembro de 2014

*Renato Muller é Editor do Núcleo NOVAREJO Em uma entrevista recentemente publicada no Portal NOVAREJO, a especialista em customer experience Kerry Bodine (que será keynote speaker do Conarec, o maior evento de relacionamento com os clientes do mundo, na próxima semana) disse que um caminho para as empresas oferecem experiências de consumo relevantes para seus clientes é, em vez de buscar atender um ?consumidor médio?, focar clientes com perfis extremos, que utilizem os produtos ou serviços da empresa de forma intensa ou muito rara. O pensamento é totalmente contraintuitivo, uma vez que o paradigma da sociedade industrial, massificada, sempre foi oferecer o produto que melhor se adaptasse à média, com o mínimo de personalização, para que os ganhos de escala viabilizassem as operações. Carros de qualquer cor, desde que sejam pretos, como diria Henry Ford. Na sociedade pós-industrial, porém, os avanços tecnológicos e a fragmentação do mercado consumidor criam um cenário no qual tentar atender à média é, na realidade, garantir que ninguém saia satisfeito.Analisar as necessidades do perfil ?médio? de consumidores para dali extrair insights que gerem inovações disruptivas é, cada vez mais, um delírio dos gestores. A inovação realmente radical não está no comum, na maioria. No comum, como diria Nassim Taleb, está o ?Mediocristão?. É preciso buscar o ?Extremistão?, o inesperado.Os princípios da Estatística ajudam a explicar o problema de ser ?médio?. Um dos conceitos básicos dessa disciplina é a curva de Gauss, ou distribuição normal de dados, que define a probabilidade de ocorrência de certos eventos. O gráfico da curva de Gauss é a famosa curva em forma de sino, que pode ser aplicada em praticamente todo mercado no qual exista uma distribuição de valores e grande quantidade de dados. Ela vale para o tamanho de sementes na natureza, mas também para definir o comportamento humano.Uma consequência importante da curva de Gauss é o chamado Teorema do Limite Central: quando o tamanho da amostra aumenta, mais a distribuição amostral de sua média se aproxima de uma curva normal. E o que isso tem a ver com o meu negócio, afinal? Tem tudo a ver. No que se refere à inovação no ambiente corporativo, por exemplo, o uso de estruturas, regras e hierarquias busca aumentar a eficiência das operações, fazendo com que os colaboradores trabalhem mais próximos de um nível definido de qualidade. Há quem esteja acima da média, e quem esteja abaixo, mas a maioria estará próxima da média em um padrão previsível (a curva de Gauss).A inovação vem da imprevisibilidade, que estará nas pontas da curva, onde há poucas pessoas. Como diria Nassim Taleb, dos ?cisnes negros? que não podem ser previstos e que não podem ser encontrados no ?Mediocristão?. É por isso que há poucos Steve Jobs ou Jeff Bezos, e muitos burocratas. A questão é que em empresas pequenas o impacto de uma ou duas pessoas ?fora da curva? é muito grande (para o bem e para o mal). Assim, uma start up pode se reestruturar rapidamente para atender uma demanda ou perseguir um posicionamento de mercado ainda não ocupado. Já em uma empresa grande, com múltiplas camadas de hierarquia, burocracia e reuniões, a tendência é que as decisões convirjam para um ponto central, e não para radicalismos (olha o Teorema do Limite Central aí).Grandes empresas normalmente estão focadas em manter o que conquistaram, não em criar algo novo. Estão focadas no Mediocristão, onde o normal e o esperado prevalecem. Buscam reduzir as incertezas para diminuir os riscos, mas o resultado acaba sendo a perda das grandes oportunidades de fazer algo realmente diferente e que gere resultados fora do comum.Sem dúvida é possível encontrar diversos exemplos de grandes empresas que mantêm um espírito inovador mesmo quando se tornam gigantes, mas isso se deve muito mais à visão de um líder inspirador (como Steve Jobs) ou à organização da empresa em núcleos menores, que tenham liberdade para experimentar e ousar, em vez de buscar a maximização do retorno ao acionista (o Google é um belo exemplo).Portanto, se sua empresa quer encontrar e desenvolver inovações que a coloquem à frente da concorrência, mantenha o foco em criar times menores, estimule a diversidade e busque sair da média. Quanto mais longe da média você estiver, menor será a concorrência. *Renato Muller é Editor do Núcleo NOVAREJO

Inovação é primordial para qualquer empresa

Publicado em: 2 de setembro de 2014

CEO do Magazine Luiza diz que varejo é setor em que inovações têm que ser implementadas mais rápido

Exercício interamericano de solidariedade

Publicado em: 31 de agosto de 2014

NA conecta seus alunos a idosos de asilos nos EUA e humaniza aprendizado

Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS