Inteligência emocional: você conhece os 3 casamentos do ser humano?

A especialista Mônica Barroso explica a importância da inteligência emocional na sociedade contemporânea, principalmente para a vida profissional. Assista

Nos últimos anos, a atenção ao equilíbrio emocional do ser humano ganhou cada vez mais espaço na sociedade. Isso acontece por muitas razões – e no que se refere ao mundo profissional, existe um motivo bastante simples: tecnologia. As ferramentas tecnológicas mudaram para sempre os modelos de trabalho e isso deu campo para a inteligência emocional ganhar destaque, como explica Mônica Barroso, professora da The School of Life no Brasil e facilitadora de jornadas de aprendizagem.

Em sua visão, estamos nos distanciando de um modelo pós-Revolução Industrial, que acabou transformando o homem em um trabalhador técnico, racional e inundado por noções perfeccionistas. Com isso, tarefas repetitivas foram sendo assumidas por robôs.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Um estudo da Universidade de Oxford, no Reino Unido, aponta que 35% dos empregos atuais correm o risco de serem automatizados nos próximos 20 anos. Isso muda completamente a nossa função. “Os indivíduos vão se destacar pelo que as máquinas por enquanto não têm: criatividade, empatia, resiliência, enfim, a subjetividade”, diz Mônica.

Em entrevista a Consumidor Moderno, a especialista explica a importância da inteligência emocional, como essa noção impacta o ser humano e os “três casamentos” existentes dentro de cada um de nós. Assista e entenda:

*A inteligência emocional e o equilíbrio pessoal entraram na agenda de preocupação de diversas empresas brasileiras. Confira mais nesta matéria especial da Consumidor Moderno.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS