Como Facebook e varejistas se unem para monitorar consumidores e direcionar publicidade

Consumidores recebem anúncios com base em atividades realizadas fora da plataforma. Uma compra em um supermercado pode virar munição para propagandas no Facebook

Foto: Unsplash

Você já ouviu relatos de pessoas que compraram em uma loja física e, depois disso, foram alvos de anúncios no Facebook? Isso acontece por causa de parcerias entre a rede social e empresas do varejo.

O Facebook recebe informações sobre o que as pessoas estão comprando – online ou em lojas físicas. Os próprios varejistas passam os dados de consumidores para a plataforma de Mark Zuckerberg. E são essas informações usadas para segmentar anúncios.

Como funciona?

Depois que alguém faz uma compra, o varejista que quer segmentar seus anúncios no Facebook pode enviar à plataforma detalhes do que foi comprado, além de informações como nome, e-mail e telefone, que permitem à rede social associar a compra a um usuário.

Todos os dados são agrupados antes de serem enviados ao Facebook e codificados pela plataforma. A empresa garante que deleta os dados depois de associar a compra a um usuário. Depois que o Facebook sabe quem comprou o quê, vende anúncios que serão exibidos diretamente para um público personalizado.

Ferramentas de controle

Os usuários têm a opção de não receber anúncios com base em atividades offline, como uma compra feita em uma loja de shopping, por exemplo. A opção por autorizar o uso de outras informações é automática. Quem quiser mudar esta configuração precisa ir até a aba Anúncios nas configurações da plataforma.

Nesse ano, o Facebook lançou uma ferramenta que permite ao usuário analisar as informações coletadas fora do plataforma e usadas para direcionar anúncios. Por enquanto a funcionalidade não está disponível para os brasileiros.

Os anúncios valem ouro

Os anúncios são responsáveis pela maior parte da receita do Facebook. Dos US$ 17,6 bilhões faturados pela empresa no terceiro trimestre de 2019, US$ 17,3 bilhões vieram de anúncios.

Ferramentas de hipersegmentação aliadas a informações demográficas precisas sobre os usuários fazem do Facebook uma ferramenta poderosa para os varejistas.


LEIA MAIS

Prateleira inteligente da Amazon encomenda produtos automaticamente
O consumidor realmente ama tecnologia?

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS