Shoppings fechados: negociação entre lojistas e administradoras vai definir ritmo da retomada

Após orientação de Doria para shoppings da Grande São Paulo, administradoras suspendem atividades de estabelecimentos por todo o País

Shopping Anália Franco, na Zona Leste de São Paulo, será fechado a partir desta sexta-feira (20) / Foto: Reprodução

Nesta quarta-feira (18), o Governador de São Paulo, João Doria (PSDB), recomendou o fechamento dos Shopping Centers da Grande São Paulo para tentar frear o avanço do novo coronavírus na região.

A recomendação é que todos os shoppings pausem suas operações até o dia 30 de abril. As academias de ginástica também receberam a orientação. Estabelecimentos do interior e litoral paulista estão livres da medida, por enquanto.

Após a fala do Governador de São Paulo, as administradoras de Shopping Centers anunciaram a suspensão das atividades em várias unidades.

As empresas estão fechando as lojas, mas mantendo o funcionamento de serviços como supermercados, farmácias e alimentação em horário reduzido.

Algumas operadoras fecharam seus shopping também fora da Grande São Paulo. A CCP, que opera na capital paulista o Shopping D e o Shopping Cidade São Paulo, suspendeu a operação de todos os seus estabelecimentos, incluindo dois em Minas Gerais.

A Multiplan, dona do BarraShopping (RJ) e do Shopping Anália Franco (SP) decidiu fechar as lojas dos shoppings paulistas – incluindo três do interior – e do ParkShopping, em Brasília.

A Aliansce Sonae vai fechar 11 de seus 39 Shopping Centers. Entre as operações que serão suspensas estão estabelecimentos de São Paulo, Campinas, Brasília, Vila Velha, Salvador, Taboão da Serra e Belo Horizonte.

Negociação é a chave

Luis Augusto Ildefonso, diretor institucional da Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) afirma, em entrevista à NOVAREJO, que o fechamento das lojas não deve ter impacto tão diferente nas vendas do que todo o impacto já causado por toda a crise do novo coronavírus.

Segundo ele, as vendas já tiveram quedas enormes na última semana e “se as lojas fecharem, não vai ser tão pior do que já está sendo”.

O diretor da Alshop explica que agora os lojistas precisam negociar prazos de pagamento e condições de aluguel com as administradoras dos shoppings.

“Esperamos que haja acordo entre lojistas e shoppings na questão do postergamento de pagamentos: se a loja ficar fechada 10 dias que o adiamento seja proporcional para que o lojista possa cumprir com suas obrigações. Além disso é importante negociar o aluguel para que ele seja proporcional ao uso. A suspensão do fundo de promoção, que não está sendo usado, também é importante”, Luis Augusto Ildefonso, diretor institucional da Alshop

Luiz Claudio Dias Melo, sócio-diretor da divisão de varejo da consultoria 360 Varejo, explica o que os lojistas precisam negociar: “em primeiro lugar, uma carência de alguns meses em seus custos de administração (aluguel/condomínio); em segundo lugar eles precisam solicitar prorrogação de suas dívidas com fornecedores e sob hipótese nenhuma deixar de pagar salários”.

Coronavírus: João Doria sugere fechamento de shoppings na Grande São Paulo
Pão de Açúcar terá horário de atendimento exclusivo para clientes com mais de 60 anos






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS