Saiba quais são as marcas mais consumidas pelos gamers

De acordo com a Pesquisa Game Brasil, Samsung, Coca-Cola, Mastercard e Red Bull estão entre as marcas mais consumidas

Foto: Pexels

Na pandemia, o mercado de games fez bastante dinheiro: a receita foi 12% maior em 2020 em comparação com o ano anterior e movimentou mais de 126 bilhões de dólares. E para a comunidade, a interação do público gamer com produtos eletrônicos e tecnologia já é comprovadamente alta. Mas quais são os outros consumos dos gamers? Quais são as marcas preferidas deles?

Segundo levantamento da Pesquisa Game Brasil (PGB), realizada pelo Sioux Group, Go Gamers, Blend New Research e ESPM, algumas das marcas mais queridas por essa comunidade são a Mastercard, a Coca-Cola, a Red Bull, a Vivo e a Samsung.

Feita com quase 12,5 mil pessoas em todos os estados brasileiros, a pesquisa constatou que o consumo dos gamers está bastante voltado para as grandes empresas — algo que tem relação tanto com os patrocínios quanto propagandas dos jogos que consomem.

Os jovens são maioria e gastam mais

De acordo com a pesquisa, a maior parte do público gamer é composto por jovens entre 20 e 29 anos (41,1%), sendo a maior parte dele representada por mulheres. Ainda que essa faixa etária não seja a mais economicamente ativa, o estudo mostra que os gamers brasileiros estão jogando e gastando mais não apenas com jogos e recursos que os suportem, mas também com outras marcas — às quais há uma notória preferência.

Segundo a PGB, houve uma diferenciação no levantamento entre marcas endêmicas — que são próprias do universo desses jogos — e marcas não-endêmicas, que compõem consumos não relacionados aos games. Na maior parte das não-endêmicas, a pesquisa revelou uma coincidência: na maioria das vezes as marcas mais conhecidas também são as mais consumidas, coisa que não ocorre com as lojas endêmicas.

Abaixo, veja quais são as marcas mais conhecidas e consumidas pelos gamers em 17 categorias: bancos, cartões de crédito, refrigerantes, energéticos, telecomunicações, cosméticos, tênis, snacks e salgadinhos, aplicativos de entrega, automóveis, televisores, aplicativos de transporte, vestuário, smartphone, consoles de videogame, computadores e notebooks.

Marcas não-endêmicas

Bancos

  • Marca mais conhecida: Banco do Brasil (87,3%)
  • Marca mais consumida: Caixa Econômica Federal (50,8%)

Cartões de crédito

  • Marca mais conhecida: Mastercard (90,4%)
  • Marca mais consumida: Mastercard (73,3%)

Refrigerantes

  • Marca mais conhecida: Coca-Cola (96,3%)
  • Marca mais consumida: Coca-Cola (82,9%)

Energéticos

  • Marca mais conhecida: Red Bull (91,4%)
  • Marca mais consumida: Red Bull (63,8%)

Telecomunicações

  • Marca mais conhecida: Vivo (83,3%)
  • Marca mais consumida: Vivo (44,3%)

Cosméticos

  • Marca mais conhecida: O Boticário (92,3%)
  • Marca mais consumida: O Boticário (72,5%)

Tênis

  • Marca mais conhecida: Adidas (89,4%)
  • Marca mais consumida: Nike (57%)

Snacks e salgadinhos

  • Marca mais conhecida: Doritos (84,3%)
  • Marca mais consumida: Ruffles (61,8%)

Entrega de comida

  • Marca mais conhecida: iFood (93%)
  • Marca mais consumida: iFood (81%)

Automóveis

  • Marca mais conhecida: Fiat (88,8%)
  • Marca mais consumida: Fiat (28,2%)

Apps de transporte

  • Marca mais conhecida: Uber (90,3%)
  • Marca mais consumida: Uber (79,3%)

Vestuário

  • Marca mais conhecida: Adidas (78,8%)
  • Marca mais consumida: Adidas (46,6%)

Marcas endêmicas

Smartphone

  • Marca mais conhecida: Samsung (90%)
  • Marca mais consumida: Samsung (53,6%)

Consoles

  • Plataforma mais conhecida: Xbox 360 (76,9%)
  • Plataforma mais consumida: PlayStation 4 (44%)

Computador

  • Marca mais conhecida: Asus (67,3%)
  • Marca mais consumida: Dell (30,5%)

Notebook

  • Marca mais conhecida: Samsung (68,6%)
  • Marca mais consumida: Acer (29,4%)

Televisores

  • Marca mais conhecida: Samsung (90,9%)
  • Marca mais consumida: Samsung (63,7%)

 


+ Notícias

Como a acessibilidade está transformando a vida de gamers do mundo inteiro

NVIDIA promove a união de gamers no mundo em busca da cura da COVID-19






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS