Praticidade de mercado autônomo conquista os brasileiros

O modelo de negócio cresceu durante a pandemia pelas vantagens como localização, disponibilidade a qualquer hora do dia e segurança. A tendência é o crescimento.

Praticidade dos mercados autônomos conquista os brasileiros

No começo de 2020 a Amazon inaugurou seu primeiro supermercado autônomo de grande porte nos Estados Unidos. Nesse modelo, o consumidor é quem cuida de todos os processos de compra, escolhendo os produtos e realizando o pagamento por meio de um aplicativo, sem o intermédio de vendedores.

A Amazon Go Grocery é uma versão muito maior da já existente Amazon Go, cujos espaços começaram do tamanho de pequenas lojas de conveniência. A essa experiência de entrar na loja, pegar o que quer e sair, a Amazon chama de “just walk out”, em português, “basta sair”.

Há poucos anos, a tecnologia utilizada nesse tipo de negócios surpreendeu positivamente pela praticidade e, hoje, os mercados autônomos não param de crescer no Brasil e vêm conquistando consumidores principalmente em condomínios.

Os mercados autônomos vieram para ficar?

A pandemia de covid-19 foi o fator propulsor do aumento do número de mercados autônomos. Afinal, esses estabelecimentos permitem manter o distanciamento social e fazer compras sem precisar sair de casa, no caso das unidades dentro de condomínios. Sem filas, sem funcionários e sem precisar lidar com dinheiro em nota ou mesmo cartão.

A rede de mercados autônomos Market4u, por exemplo, surgiu em 2019 e a implantação da primeira loja ocorreu em fevereiro de 2020. Em menos de dois anos, a empresa já está presente em 84 cidades de 22 estados, consolidando-se como a maior rede no ramo da América Latina. São mais de 1.500 unidades espalhadas pelo país e o objetivo é chegar a 10 mil unidades em operação até o final de 2021.

Para o CEO do Martke4u, Eduardo Córdova, o modelo de negócio já estava em fase de crescimento antes mesmo da pandemia, mas a maior expansão ocorreu nesse período, quando as pessoas passaram a enxergar a importância de ter esse tipo de serviço o mais próximo possível. “Por ser um modelo novo, muita gente, como os síndicos, ainda estava insegura. Com a pandemia surgiram concorrentes, os mercados autônomos foram substituindo as vending machines, e trouxeram uma nova proposta de valor: comodidade é a palavra que mais define esse modelo”, comenta.

A intenção é atender o cliente em um ambiente seguro, dentro do próprio local de moradia ou em empresas, como academias, construtoras e centros comerciais. Mas é também oferecer praticidade e comodidade usando a tecnologia como aliada.

“Hoje, apenas 1% do varejo alimentar está no delivery e a tendência é que esse número cresce 10 vezes nos próximos cinco anos. O modelo de mercados autônomos tem espaço para expandir, pois os hábitos de consumo já mudaram”, acrescenta Eduardo Córdova. Outra vantagem em relação ao delivery, aliás, é que nesses mercados não é necessário esperar pela entrega.

Benefícios para o consumidor

Para cada região, o Market4u tem um centro de distribuição – daí a facilidade de reabastecer os produtos e oferecê-los sempre fresquinhos. “Lidamos diretamente com a indústria, por isso conseguimos oferecer um preço competitivo. A indústria também tem interesse nesse modelo de mercado, pois nós estamos muito mais próximos do consumidor do que um supermercado tradicional”, pontua o CEO da empresa.

Diferentemente das lojas de conveniência, que cobram um valor bem mais alto pelos produtos, os mercados autônomos conseguem manter preços muito aproximados dos supermercados. Apesar disso, a diferença ainda existe, por isso, muitas vezes eles são usados para pequenas compras ou em casos de emergência, como quando o consumidor se dá conta da falta de um produto em casa ou esquece um ingrediente da lista.

Esse é o hábito da arquiteta Stéfanie Ribas Lanza, que se mudou para um condomínio com mercado no ano passado e já usufrui do serviço. “Uso para aqueles itens de última hora: o fermento para o bolo que acabou, um pãozinho ou petisco para quando a visita está chegando… O mercado facilita bastante, não é mais necessário pedir açúcar para a vizinha”, brinca a arquiteta.

Para a moradora, uma das principais vantagens é o mercado estar sempre aberto, 24 horas por dia. Bateu a fome da madrugada? É só dar alguns passos e escolher algo na prateleira. “Nem preciso de carro, basta eu descer o elevador para comprar um pacote no mercado. Por isso, acredito que continuarei usando os serviços mesmo no pós-pandemia”, afirma.

Vantagens proporcionadas pela tecnologia

Apesar de ocupar pouco espaço, os mercados autônomos possuem uma grande variedade de produtos. O Market4u, por exemplo, possui cerca de 500 produtos em cada ponto de venda, como laticínios, biscoitos, pães, bolos, massas, molhos, produtos de limpeza e higiene e produtos refrigerados. Refrigerantes, cervejas e chocolates são os itens mais vendidos.

Por serem feitas totalmente via aplicativo, as compras permitem a análise de dados do comportamento de compra de cada região e a personalização de produtos de acordo com o perfil dos consumidores. Assim, tornam-se muito mais altas as chances de encontrar no seu próprio condomínio um produto que você está habituado a comprar.

É por meio do aplicativo, também, que o cliente destrava geladeiras e freezers para obter alimentos perecíveis. No caso de bebidas alcoólicas, os equipamentos só abrem após a confirmação de idade do usuário, que deve ser maior de 18. O espaço ainda conta com monitoramento 24 horas por dia, aumentando a segurança tanto para os clientes quanto para os responsáveis pelo estabelecimento.


+ Notícias

O banco do futuro é acessível e conectado

Apoio a negócios locais e previsão no CX levam Rappi aos U$ 5 bilhões






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS