Golpes bancários envolvendo manipulação de vítimas crescem 165%

Num contexto de pandemia e com aumento de transações financeiras digitais os golpes bancários aumentaram; confira 5 dicas valiosas de segurança

Segundo levantamento feito pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), houve crescimento de 165% nos golpes que utilizam engenharia social, no primeiro semestre de 2021 em comparação com o segundo semestre de 2020.

De acordo com o levantamento, foram registrados o aumento de 80% nas tentativas de ataques de phishing, fraude que visa obter os dados pessoais do usuário, por meio mensagens e e-mails falsos que induzem o usuário a clicar em links suspeitos ou ainda páginas falsas na internet que induzem a revelar dados pessoais. Os dados apontam que são tiradas cerca de 3 mil páginas fraudadas de bancos por mês.

  • Golpes do falso motoboy cresceram 65% durante o período da quarentena;
  • Golpes do falso funcionário e das falsas centrais telefônicas cresceram 70%;
  • Golpes financeiros contra idosos cresceram 60%.

Assine a nossa newsletter e fique por dentro das novidades sobre a experiência do cliente

Como reverter isso?

Para contribuir no combate aos golpes e fraudes, as instituições financeiras investem anualmente cerca de R$ 2,5 bilhões em cibersegurança.

Além disso, é necessário promover constantes campanhas educativas, uma vez que a população ainda não possui o mesmo comportamento de segurança no mundo digital conforme adotado no mundo físico.

Por essa razão, a Febraban, mais de 25 bancos associados e a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi) promoveram entre os dias 25 e 29 de outubro a 2ª edição de 2021 da Semana da Segurança Digital, que busca promover a conscientização da sociedade para uso dos canais digitais de forma segura, com orientações de prevenção contra os principais golpes e fraudes digitais.

Ainda está sendo veiculada nas TVs abertas e fechadas uma campanha de marketing, intitulada Pare & Pense #PodeserGolpe, para alertar e orientar a população. A campanha traz informações e dicas para que clientes se protejam.

Golpes de engenharia social são aqueles em que há manipulação psicológica da vítima para que ela forneça informações confidenciais, como senhas e números de cartões, ou faça transações em favor dos criminosos.

Confira 10 dicas valiosas para se proteger de golpes financeiros

1- Não compartilhe sua senha ou a encaminhe por mensagens. Não utilize números com referências pessoais, como datas de aniversário. Nem números repetidos ou sequenciais, por exemplo: 111111 ou 123456.

2- Nunca entregue seu cartão a ninguém. Os bancos não solicitam o envio de cartões e nenhum funcionário vai à sua casa buscar seu cartão.

3- Sempre confira o valor na maquininha antes de digitar a sua senha. Nunca informe o código de segurança do cartão. Ao finalizar uma compra, verifique se o cartão devolvido é realmente o seu.

4- Ative a função de segurança “autenticação de dois fatores” em suas contas de e-mail e redes sociais.

5- Ao receber ligação do banco solicitando para entrar em contato com a Central de Atendimento sob hipótese alguma informe sua senha.

6- Confira a origem de mensagens e e-mails que dizem ser do seu banco. Nunca clique em links de promoções muito vantajosas. Lembre-se, o banco não envia e-mails sobre invasão na conta bancária.

7- Em compras online, dê preferência a sites de confiança. Sempre confira o endereço no navegador. Use o cartão virtual para efetuar compras na internet.

8- Ao pagar boletos, realizar transferências ou PIX sempre confira o nome do recebedor.

9- Não envie fotos, vídeos ou capturas de tela da transação. Aguarde pelo comprovante da operação, caso precise compartilhar com alguém.

10- Cuidado com o que você compartilha nas redes sociais. As informações podem ajudar bandidos a conhecer seu perfil e comportamento.

Assine a nossa newsletter e fique por dentro das novidades sobre a experiência do cliente


+Notícias

Um a cada oito brasileiros foi vítima de phishing nos primeiros meses da pandemia

Brasil é o sexto país do mundo em vítimas de violação de dados




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS