O futuro dos aplicativos de mensagens

Enquanto Millennials e a Geração Z são os usuários mais comuns de mensageiros instantâneos, Boomers e Geração X não ficam para trás

Por: - 6 dias atrás

aplicativos de mensagens Foto Pixabay

Os aplicativos de mensagens instantâneas tornaram a comunicação simples, conveniente e rápida, características que serão potencializadas com o avanço da Internet 5G nos próximos anos.

Graças aos apps, as mensagens trocadas pelas pessoas se tornaram mais curtas, mas muito mais funcionais. Esse fenômeno ocorreu por uma demanda própria das gerações atuais, sobretudo Y e Z, que vivem vidas mais aceleradas e conectadas com o todo.

Mesmo que os Baby Boomers não se envolvam com as novas tecnologias tanto quanto os Millennials, isso não significa que seus hábitos de mídia estejam estagnados. Na verdade, eles estão em constante evolução, e tentam acompanhar os hábitos dos mais jovens à medida que podem.

aplicativos de mensagens
Foto Pixabay

Aplicativos de mensagens de acordo com diferentes perfis

Enquanto os mais jovens se recusam a atender chamadas telefônicas, e adotam métodos radicais para reduzir ao máximo o número de ligações recebidas (como instalar apps bloqueadores de ligações de telemarketing, por exemplo), os mais velhos parecem ainda gostar deste tipo de contato.

Uma pesquisa feita pela ZipWhip perguntou para pessoas de diferentes gerações se elas gostariam que as empresas utilizassem mais mensagens de texto do que ligações para se comunicar com elas. A resposta, surpreendentemente, foi positiva em todos os perfis observados: 64% dos Baby Boomers responderam “sim” à pesquisa. Entre a Geração X, o resultado positivo foi de 76% , contra 83% e 84% de afirmações das Gerações Y e Z, respectivamente.

Uma matéria publicada pela Forbes confirma que, sim, os Boomers também gostam de mandar mensagens de texto. Apesar de ainda utilizarem bastante o telefone para conversar, reconhecem as vantagens de poder bater papo e checar as publicações de seus amigos e familiares nas redes sociais.

Já um estudo feito pela Focus in Future , com pesquisa entre Boomers, X e Millennials de 6 países diferentes, reforça a ideia de que as gerações mais antigas não estão muito atrás das mais recentes quando o assunto é comunicação por texto. 65% dos Millennials e Geração X responderam que preferem bater papo online do que em grupos presenciais, enquanto 63% dos Boomers concordam com essa afirmação.

aplicativos de mensagens

O que esperar dessa tecnologia no futuro?

Os aplicativos de mensagens estão recebendo mais e mais funções a cada atualização. Apesar de melhorarem a funcionalidade dessas tecnologias, tanto o aumento de recursos quanto de usuários pode resultar em problemas graves de segurança.

Graças aos escândalos envolvendo o Facebook nos últimos anos, os consumidores estão ficando mais conscientes de que suas comunicações não são tão privadas quanto parecem.

Para resolver este conflito, cada vez mais aplicativos com mensagens de texto ou voz criptografados estão surgindo no mercado. Eles são a prioridade para futuro destes apps, principalmente em relação à troca de mensagens com fins comerciais.

Os mensageiros instantâneos do futuro devem ter recursos de segurança que permitem que os dados de aparelhos roubados possam ser eliminados à distância, além de oferecerem recursos de proteção de PIN, ferramentas de verificação avançadas, controles de permissão e sistemas de arquivamento.

O grande desafio será oferecer todos esses recursos ao mesmo tempo em que a interface do programa seja confortável e intuitiva para o uso geral, e não algo que faça sentido apenas para pessoas letradas em programação ou TI.

aplicativos de mensagens

RCS: o fim do WhatsApp?

Segundo uma pesquisa feita pela SlickText, até 2025 a quantidade de pessoas que envia e recebe mensagens de texto deverá chegar a 5,9 bilhões, com 77% da população global utilizando smartphones nesta data.

O sucessor do SMS – o RCS – está chegando aos smartphones, e deixará o sistema de mensagens nativo dos aparelhos nos moldes do WhatsApp e Telegram, com envio de imagens, gifs, stickers, chatbots, mapas, áudios e uma série de outros recursos.

A GSMA e a OpenMarket desenvolveram um estudo, em 2018, para mapear o interesse dos usuários de aplicativos de mensagens sobre a nova tecnologia RCS. A pesquisa aponta que 51% dos entrevistados deixarão de usar os mensageiros instantâneos vigentes se o RCS oferecer as mesmas funcionalidades que eles em um só lugar; 35% das pessoas se disseram neutras na entrevista, e apenas 14% discordaram completamente.

O RCS pretende funcionar como uma solução única para que as pessoas não precisem usar diversos aplicativos simultaneamente para poder aproveitar todos os recursos que eles disponibilizam, poupando memória, bateria e tempo de uso.

Algumas operadoras já estão começando a disponibilizar o serviço no Brasil, que deverá ser utilizado, inicialmente, pelo comércio, que terá muito mais funcionalidades à disposição para contatar e reter clientes.

+ NOTÍCIAS

Os aplicativos favoritos da Geração Z
Aplicativos e jogos mais baixados pelos Millennials
10 aplicativos que ajudam a cuidar da saúde mental
8,5 milhões de brasileiros já foram vítimas de clonagem de WhatsApp
WhatsApp é o aplicativo mais utilizado pelos brasileiros