Chatbots são ferramentas importantes para reduzir custo e aumentar retenção de clientes

Além da redução de gastos, atendimento ágil e a qualquer hora do dia ajudam a melhorar satisfação do consumidor

Nos dias de hoje, os consumidores buscam respostas rápidas e soluções imediatas para seus problemas. As marcas precisam acompanhar essa dinâmica, mas nem sempre têm estrutura para manter um call center de atendimento 24 horas ou uma equipe disponível para atendimento em horários alternativos. Uma solução para esse problema pode ser o uso de #CHATBOTS para a interação com os consumidores. Além de otimizar custos, eles podem solucionar problemas rápidos e aumentar a retenção de clientes de maneira automatizada.

Cada vez mais “humanos”, os chatbots ajudam a solucionar a limitação de funcionários que podem podem atender a chamadas. Além disso, auxiliam a marca a criar experiências engajadoras e personalizadas com os consumidores. Segundo relatório da Capgemini, eles são fundamentais para as empresas se tornarem mais eficientes, reduzindo custos e otimizando tempos de resposta aos clientes.

De acordo com o relatório, cerca de 70% das empresas que usam chatbots para atendimento ao consumidor tiveram uma redução de mais de 20% nos custos em serviços de suporte ao cliente.

Além da redução de custos, os chatbots estão ajudando a alavancar a estratégia de negócios para melhorar o atendimento ao cliente. O relatório mostra ainda que 59% das marcas de consumo tiveram redução de mais de 20% na rotatividade de consumidores, ou seja houve maior retenção de clientes.

chatbot

CHATBOT DO WHOLE FOODS

O chatbot do Whole Foods, rede de supermercados sustentáveis dos Estados Unidos, é um bom exemplo de como a marca pode interagir com o consumidor de forma natural. O assistente virtual oferece receitas, recomendações de produtos e inspiração culinária. Ao sugerir produtos para a criação das receitas, o chatbot direciona o tráfego para o site do Whole Foods a partir do Facebook Messenger. As receitas podem ser filtradas por tipo de culinária, ingredientes disponíveis ou restrições alimentares. Para as marcas, esse tipo de chatbot pode ser útil para criar um relacionamento maior com o consumidor, oferecendo conteúdos úteis e de qualidade relacionados com a marca.

U-REPORT, DA UNICEF

O U-Report é um bot desenvolvido pela UNICEF para realizar pesquisas em áreas remotas ou ambientes desfavoráveis. O U-Report não é um bot conversacional, ele apenas propõe algumas perguntas em formato de enquete, que são respondidas rapidamente pelo telefone. Com os resultados da pesquisa, a Unicef consegue elaborar um plano de ação sobre o problema. Na Libéria, o U-Report foi usado para realizar uma pesquisa com um número muito grande de crianças em idade escolar. Cerca de 86% dos estudantes responderam e o resultado foi usado para criar um plano de ação focado em áreas específicas de melhoria nas escolas na Libéria. Para as marcas, esse tipo de bot pode ser usado para realizar pesquisas de opinião sobre serviços e novos produtos ou para obter informações sobre perfil sociodemográfico de seu público, por exemplo.

EDWARD, DA EDWARDIAN HOTELS

O Edward é um chatbot usado pela Edwardian Hotels para agilizar o check-in dos e resolver problemas e pedidos corriqueiros dos hóspedes, como solicitações de serviço de quarto ou informações sobre a cidade. E se o chatbot não conseguir solucionar o problema do hóspede, o Edward também consegue encaminhar a solicitação para a pessoa certa no hotel. Para as marcas, esse tipo de chatbot pode ser usado para otimizar equipe, automatizando e agilizando o atendimento de rotina do seu público.

Tendências de chatbots para 2020 que transformarão a experiência do cliente
Assistentes de voz: Como manter a privacidade e a segurança
“Alexa, unicórnios existem?” Crianças desconfiam de assistentes de voz
O problema de gênero nos assistentes de voz
Cresce uso dos assistentes de voz para fazer compras online
“Todo chatbot precisa de uma mãe”. O que isso quer dizer?

 

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS