Queda no consumo deve superar 5% em 2020

Retração será a maior desde 1995. Pandemia do novo coronavírus vai levar o consumo deste ano aos mesmos patamares de 2010 e 2012, segundo pesquisa IPC Maps

Foto: Pixabay

Com a pandemia do novo coronavírus, o consumo das famílias brasileiras ficará comprometido ao longo de 2020, se igualando aos patamares de 2010 e 2012. A expectativa é de uma movimentação de R$ 4,465 trilhões na economia, retração de 5,39% em relação a 2019. O resultado vai gerar um impacto negativo de 5,89% do PIB. A projeção é do estudo IPC Maps 2020.

Segundo Marcos Pazzini, sócio da IPC Marketing Editora e responsável pela pesquisa, o resultado cria um efeito déjà-vu, já que a economia “retomará os índices dos últimos anos em que houve um progresso vigoroso”. O especialista ressalta que no início de março, antes desse cenário de pandemia e isolamento social, “a previsão do PIB para 2020, conforme o Boletim Focus do Banco Central, era de +2,17%. O resultado apontava então para uma projeção do consumo brasileiro da ordem de R$ 4,9 trilhões, superando os R$ 4,7 trilhões obtidos no ano passado.

O levantamento aponta que, a exemplo de 2019, as capitais seguirão perdendo espaço no consumo, respondendo por 28,29% desse mercado. Enquanto isso, o interior avançará com 54,8%, bem como as regiões metropolitanas, cujo desempenho equivalerá a 16,9% neste ano.

MIGRAÇÃO DE CLASSES SOCIAIS

Esta edição do IPC Maps destaca, ainda, a redução na quantidade de domicílios das classes A e B1, o que elevará o número de residências nos demais estratos sociais. Para Pazzini, “essa migração das primeiras classes impactará positivamente o consumo da classe B2, com uma vantagem de 6,8% sobre os valores de 2019”, explica. As outras classes, por sua vez, terão queda nominal do potencial de consumo de 2,94% em relação a 2019.

consumo

Fonte: IPC Maps

MAPA DA ECONOMIA

Houve declínio de 13% no número de empresas instaladas no Brasil, totalizando hoje 20.399.727 unidades. Deste montante, mais da metade (10,6 milhões) tem atividades relacionadas a Serviços; seguida pelos setores Comércio, com 5,7 milhões; Indústrias, 3,3 milhões e, por último, Agribusiness, com 703 mil estabelecimentos.          

Como de costume, a Região Sudeste concentra 51,98% das empresas nacionais, seguida pelo Sul, com 18,15%. Em caminho inverso, as demais regiões reduziram suas atividades: O Nordeste conta com 16,96% dos estabelecimentos, Centro-Oeste com 8,27%, e o Norte com apenas 4,65% das unidades existentes no País.

Saiba quais são os CPOs reconhecidos em 2020
Revelamos os vencedores das categorias especiais do Prêmio CM
Empresa de CPO é reconhecida pela excelência na gestão de crise






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS