Turismo do futuro: quais são as cidades mais promissoras às criptomoedas?

Pesquisa aponta cidades em todo o mundo nas quais é possível viajar pagando apenas com a carteira virtual, conheça

Foto: Free Pik

Após dois controversos anos que mudaram tudo na forma de enxergar as atividades de consumo, é irônico pensar que uma das áreas sem dúvidas mais atingidas pela pandemia foi tão transformada e impactada, agora positivamente, por ela. É o caso do turismo, que foi um dos segmentos que mais sofreu com o período de isolamento de 2020 e 2021, com redução de cerca de 59% no faturamento do setor, conforme aponta a segunda edição da Revista Dados & Informações do Turismo, criada pelo Ministério do Turismo no Brasil.

A ironia, no entanto, não está na perda de faturamento, mas na forma como a maior parte dos países reverteu o cenário: museus ganharam visitas cibernéticas, restrições sanitárias foram estabelecidas, o próprio metaverso deu um passo em direção a um novo tipo de turismo virtual e até mesmo os meios de pagamento se atualizaram. E, bem, especificamente sobre essa parte, o assunto já não é mais sobre crédito, débito e nem mesmo Pix: é hora de dar saudações às criptomoedas.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente  

A nova economia agora é movimentada pelas criptomoedas

A bem da verdade, estamos caminhando para um período no qual as carteiras físicas serão artefatos do passado. Hoje, a maior parte das pessoas já não carrega mais dinheiro em espécie na bolsa — um benefício do Pix —, e usa a carteira basicamente para armazenar os cartões e documentos.

Mas os documentos já caminham para o digital e os cartões, bem… Com as criptomoedas, talvez já não tenham tanta utilidade no futuro. Assim, não tão é difícil imaginar uma criança, daqui algumas décadas, brincando com uma carteira da mesma forma que a Geração Z investiga um disquete.

Leia mais: Como ficam as regras do turismo e viagens aéreas em 2022?

É evidente, no entanto, que há um longo caminho para a mudança. E ela já vem acontecendo em inúmeros lugares, sobretudo para — veja aí a ironia — o turismo: muitas das capitais ao redor do globo passaram a adotar as criptomoedas como meio de pagamento para evitar as barreiras de câmbio entre os Estados. Afinal, por meio delas, evita-se muita burocracia, seja na conversão das moedas ou mesmo para adoção de pagamentos digitais mais facilitados.

As dez capitais mais promissoras para uso
de criptomoedas no turismo

É muito claro também que essa mudança caminha a passos lentos. Nem todas as cidades são “cripto-friendly”, mas há algumas que se destacam entre as demais e facilitam as partes chatas de pensar em uma viagem, economicamente falando. Destacá-las foi um trabalho da Fast Private Jet, uma agência autorizada de jatos particulares, que realizou um estudo para apontar os lugares mais promissores para o uso de criptomoedas no dia a dia.

De acordo com a pesquisa, a maior parte deles está localizada na Europa, com Liubliana (Eslovênia) liderando o ranking, Praga (Tchéquia), Madrid (Espanha), Roma (Itália) e Vienna (Áustria) no top 10. Confira a lista completa:

cripto turismo 2

Fonte: Fast Private Jet

Leia mais: Anywhere office no Brasil: o melhor país do continente para o trabalho remoto

A capital da Eslovênia foi considerada, de longe, a mais amigável às criptomoedas por possuir 72 lojas de varejo comuns e 33 voltados ao varejo esportivo, todos pagos com esses ativos digitais. Além disso, o maior shopping center do país, chamado de BTC, segue na tentativa de se tornar uma cidade voltada ao Bitcoin, uma das criptomoedas mais famosas do mercado.

Vale destacar que a Eslovênia também possui a maior capitalização de mercado per capita de blockchain. Dessa forma, o próprio governo esloveno tem buscado maneiras de adaptar suas leis para comportar esse novo meio de pagamento, bem como determinar as tributações sob as criptomoedas.

A Europa se tornará um cripto-turismo no futuro?

Ainda é cedo para avaliar, mas tudo indica que cada vez mais os países do continente europeu procuram por uma modificação em seus meios e sistemas de pagamento. A própria cidade de Praga, na Tchéquia — listada no ranking como a segunda mais cripto-frendly do mundo —, já possui um dos primeiros cafés pagos exclusivamente com Bitcoin em todo o mundo. O local também se destacou por possibilitar compras comuns, como idas ao cinema e até o pagamento de aluguel.

Madrid (Espanha), 5ª colocada no ranking da Fast Private Jet, também se destaca entre as demais: a capital espanhola criou, em 2021, uma legislação sobre o uso de criptomoedas para empresas, mas ainda há poucas leis para o gasto de pessoas físicas no país. Ainda que a Espanha não reconheça as criptomoedas como ‘moeda comum’, a população já consegue comprar cartões-presente usando esses ativos digitais, além de utilizá-los em lojas online também.

Ainda na Europa, há uma série de cidades que estão se tornando cada vez mais promissoras ao uso das criptomoedas, tais como Roma (Itália), Vienna (Áustria), Vilnius (Lithuania), Copenhage (Dinamarca), Berlin (Alemanha), Paris (França), Bratislava (Eslováquia) e Amsterdã (Países Baixos).

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente   

Um pequeno vislumbre da América Latina

De forma muito surpreendente, Buenos Aires (Argentina) ocupa o 3º lugar do ranking entre as cidades mais promissoras ao uso das criptomoedas. O país conta com 52 locais para compras comuns e pelo menos 17 cafés, padarias e restaurantes que aceitam os ativos digitais como pagamento.

Até o final de 2021, outro ponto de destaque, o país ainda não havia incluído taxas nas transações, posto que elas faziam, na época, parte de uma isenção. No entanto, há um plano já em andamento para 2022 que tem como objetivo estabelecer um plano tributário às criptomoedas.

Também na América Latina há destaque para Colômbia e Venezuela, que tem incorporado novos meios de pagamento com menor taxa em suas capitais.


+ Notícias

Quais as tendências de CX do setor de turismo para 2022?

Como o setor de turismo trabalha o valor do respeito ao cliente 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS